NeoVacinas
HOME Quem somos A clínica Vacinas Perguntas e respostas Calendários Aos profissionais email Siga-nos no facebook
Vacinas recomendadas pela Clínica NeoVacinas
BCG
Protege contra tuberculose.
Pode ser aplicada ainda na maternidade, idealmente nos primeiros 15 dias de vida. Dose única.
Portaria nº 1602, 17 de julho de 2006, Ministério da Saúde, suspendeu a segunda dose de reforço.
Dengue
A vacina contra dengue da Sanofi Pasteur reduziu dois terços dos casos causados pelos quatro sorotipos de dengue, preveniu 8 de cada 10 hospitalizações e 93% dos casos de dengue grave.

Posologia: O principal esquema vacinal é a aplicação de 3 injeções de uma dose de vacina reconstituída (0,5ml) a intervalos de 6 meses.

Não administrar em gestantes e durante amamentação.
Hepatite B
Protege contra Hepatite B.
Três doses: Primeira dose ao nascer; Segunda dose um mês após a primeira; Terceira dose 5 meses após a segunda dose (aos 6 meses de idade).
A segunda dose da hepatite B poderá ser feita na vacina combinada Sêxtupla (Hexavalente - difteria, tétano, pertussis, haemophilus, poliomielite injetável e hepatite B) aos 2 meses de idade numa só aplicação.
A terceira dose da hepatite B aos seis meses de idade também poderá ser feita na vacina combinada sêxtupla (hexavalente).
Indicações especiais para vacinação da hepatite B – profissionais de saúde, militares, policiais, bombeiros, profissionais que lidam com dejetos e águas contaminadas, profissionais do sexo, profissionais de aviação, profissionais que viajam muito, manicures e pedicures, coletores de lixo.
Rotavirus humano (atenuada)
Protege contra diarréia causada pelo rotavírus.
No Brasil está disponível na rede pública a vacina monovalente (um sorotipo) no seguinte esquema: Duas doses: aos 2 meses e 4 meses, sendo que a primeira dose não poderá ser aplicada após 14 semanas de vida e a segunda dose não poderá ser aplicada após 24 semanas de vida.
A vacina pentavalente (cinco sorotipos) está disponível apenas na rede privada e o esquema são de 3 doses: A primeira dose aos 2 meses, a segunda aos 4 meses e a terceira dose aos 6 meses de idade. A primeira dose não poderá ser aplicada após 15 semanas de vida. O intervalo mínimo entre as doses é de 30 dias e a última dose não poderá ser aplicada após os 8 meses.
As vacinas contra o rotavírus estão contra indicadas para imunodeprimidos.
Via de administração – via oral
Tríplice bacteriana pediátrica acelular (difteria, tétano e pertussis) - DTPa - uso pediátrico
Protege contra difteria, tétano e coqueluche.
3 doses no primeiro ano de vida: 2 meses, 4 meses e 6 meses.
2 doses reforços: 1º reforço: 15 à 18 meses; 2 º reforço: 4 à 5 anos.
Os eventos adversos com a DTPa (Tríplice bacteriana acelular) são menos freqüentes e menos intensos que com a tríplice bacteriana de células inteiras (DTP).
Pneumocócica conjugada 10-valente ou 13-valente - Uso pediátrico
Protege contra doença invasiva por pneumococo.
Aos 2, 4 , 6 meses e um reforço aos 15 meses.
A vacina Pneumocócica 10-valente está disponível na rede pública.
Quando a vacinação não tiver sido iniciada aos 2 meses de idade, o esquema da administração varia conforme a idade:
Entre 7 a 11 meses: 2 doses com intervalo de 2 meses e a terceira dose aos 15 meses.
Entre 12 meses e 23 meses: 2 doses com intervalo de 2 meses
A partir de 24 meses: Dose única, exceto imunodeprimidos, que farão 2 doses com intervalo de 2 meses entre as doses.
Crianças com esquema completo de vacina pneumocócica 7- ou 10-valente podem ampliar a proteção recebendo uma dose suplementar de vacina 13-valente com intervalo mínimo de 2 meses da última dose.
A vacina 10-valente não está licenciada para maiores de 2 anos.
Meningocócica C conjugada
Protege contra o meningococo C.
Aos 3, 5 meses e um reforço entre 15 e 18 meses.
Recomenda-se iniciar a vacinação ainda no primeiro ano de vida devido a maior incidência e letalidade da doença nessa faixa etária.
É recomendado dose reforço no segundo ano de vida e também na adolescência.
Dose adicional da vacina meningocócica C conjugada deve ser considerada cinco anos após a primovacinação, especialmente para crianças vacinadas no primeiro ano de vida.
A vacina meningocócica conjugada quadrivalente (sorogrupos A,C,W135 eY) deve ser considerada para a imunização do adolescente a partir de 11 anos.
Influenza (inativada) - Gripe
Protege contra gripe.
Aos 6 meses e 7 meses, a seguir uma dose anual.
É de forte recomendação para crianças até 5 anos de idade.
A gestante está no grupo de risco de complicações da influenza e está indicada nos meses de sazonalidade do vírus.
A gestação não é contra-indicação para a vacina da gripe.
Hepatite A
Protege contra hepatite A.
Na criança, a primeira dose deve ser feita aos 12 meses e segunda dose aos 18 meses.
O esquema para os adultos é o mesmo, duas doses, com intervalo de 6 meses entre as doses.
A vacina contra hepatite A é uma vacina inativada, portanto, sem riscos teóricos para a gestante e o feto. Deve ser aplicada preferencialmente fora do período da gestação, mas em situações de risco a exposição ao vírus, não está contraindicada em gestantes.
Indicações especiais para vacina hepatite A – profissionais de saúde, profissionais que lidam com alimentos e bebidas, militares, policiais e bombeiros, profissionais que lidam com dejetos e águas contaminadas, crianças, profissionais de sexo, profissionais de aviação, profissionais que viajam muito, coletores de lixo.
Varicela (atenuada) - Catapora
A primeira dose aos 12 meses e segunda dose entre 15 a 24 meses de idade. Com intervalo mínimo de três meses entre a primeira e segunda dose.
Estima-se que uma só dose da vacina contra a varicela induza imunidade contra a infecção em 70 a 90% das crianças que a receberam, e em 95 a 98% contra as formas graves da doença. Contudo, não é incomum a ocorrênica dessa virose em crianças que já receberam uma dose dessa vacina. Assim, recomenda-se a aplicação de duas doses com intervalo mínimo de 3 meses.
No adulto é indicada apenas para adultos sem história prévia da doença. São duas doses no adulto, porém com intervalo mínimo de 2 meses entre as doses.
Contra-indicada para imunodeprimidos e gestantes.
Tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba)
Protege contra Sarampo, Caxumba e Rubéola. Primeira dose aos 12 meses e reforço entre 15 a 24 meses de idade. Com intervalo mínimo de três meses entre a primeira e segunda dose.
Contra-indicada para imunodeprimidos e gestantes
Uma ou duas doses para homens ou mulheres até 49 anos com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses, de acordo com o histórico vacinal, assegurando que todos recebam no mínimo duas doses na vida.
Dose única para homens e mulheres com mais de 49 anos.
Quádrupla (tetra) viral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela)
É a combinação da tríplice viral com a varicela. É uma opção quando coincidir a indicação da tríplice viral e varicela para menores de 12 anos.
Risco aumentado de febre alta e exantema na primeira dose dessa vacina combinada deve ser considerado.
HPV
A vacina contra HPV deve ser aplicada preferencialmente na adolescência, antes de iniciada a vida sexual, entre 11 e 12 anos de idade.
Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo os tipos 6, 11, 16 e 18 de HPV com esquemas de intervalos
0, 2meses, 6meses, indicada para meninas, meninos e jovens de nove a 26 anos. Outra contendo os sorotipos 16 e 18 de HPV com esquemas de intervalos de 0, 1mês, 6 meses, indicada para meninas e mulheres de dez a 25 anos.
A ANVISA liberou a vacina quadrivalente ( contendo os sorotipos 16, 18, 6 e 11) para proteção dos meninos e jovens de nove a 26 anos.
Tríplice bacteriana adulto acelular (difteria, tétano e pertussis) dTpa
Vacina formulada para uso em adolescente e adultos, oferecendo oportunidade para reduzir o impacto de coqueluxe.
O uso da vacina tríplice bacteriana tipo adulto está especialmente indicado para adultos que convivem ou cuidam de lactentes menores de um ano, visto serem um dos principais transmissores de bordetella pertussis para esse grupo.
Deve-se considerar a vacina tríplice bacteriana tipo adulto para idosos.
Uma dose de vacina tríplice bacteriana tipo adulto é recomendada mesmo nos indivíduos que receberam a vacina dupla bacteriana tipo adulto há dois ou mais anos.
Febre amarela (Dose Única a partir de 9 meses de idade)
No Brasil estão disponíveis duas vacinas: a produzida por Biomanguinhos – Fiocruz,
utilizada pela rede pública, e a produzida pela Sanofi Pasteur, utilizada pela rede privada. Ambas são elaboradas a partir de vírus vivo atenuado, cultivado em ovo de galinha. As duas vacinas têm perfil de segurança e eficácia semelhantes (estimada em 95%).

A vacina é indicada para crianças a partir de 9 meses de idade, adolescentes e adultos que vivem em áreas do Brasil com recomendação de vacinação, ou em viagem nacional/internacional de risco para a doença, ou com obrigatoriedade de comprovação de vacinação.

Contra-indicações e precauções
. Crianças abaixo de 6 meses de idade;
. Indivíduos com HIV, sintomáticos e com imunossupressão grave;
. Pessoas com imunossupressão grave ou em uso de medicação;
. Pessoas que tenham apresentado doença desmielinizante no período de seis semanas após a aplicação de dose anterior da vacina;
. Em nutrizes, até que o bebê tenha completado 6 meses;
. Pacientes submetidos a transplante de órgãos;
. Pacientes com câncer;
. Pessoas com história de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina (ovo da galinha e outras);
. Pacientes com história pregressa de doenças do timo;
. Em princípio, contra-indicada para gestantes;
. A vacinação de indivíduos acima de 60 anos deve ser evitada, a menos que haja alto risco de infecção.

Esquema de doses
. Nas áreas brasileiras de recomendação da vacina;
. Rotina: Dose única a partir de 9 meses;
. Crianças, adolescentes e adultos que já tenham recebido uma dose, não precisam ser vacinados novamente;
. Para viajantes em áreas de recomendação de vacinação, ou países que exigem CIVP (Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia) é recomendada a comprovação de apenas uma dose;
. Em situações de exigência de vacinação, a dose deve ter sido aplicada no mínimo dez dias antes da viagem.


Via de aplicação: Subcutânea

Eventos adversos: Podem ocorrer dor local e manifestações gerais: febre, dor de cabeça, dor muscular são os eventos mais freqüentes. Embora muito raros, podem ocorrer eventos graves: reações alérgicas, doença neurológica (encefalite, meningite, doenças auto-imunes com envolvimento do sistema nervoso central e periférico) e doença em órgãos (infecção pelo vírus vacinal causando danos semelhantes aos da doença).
Haemophilus influenzae b (conjugada)
Protege contra doenças graves (meningite, pneumonia, epiglotite) causadas por esta bactéria.
Este componente está presente na vacina quádrupla (Tetra) bacteriana de células inteiras com Hib (difteria, tétano, pertussis e haemophilus b) ou na vacina quádrupla bacteriana acelular.
Tétano (inativada) – Toxoide tetânico (ATT)
Em adultos as três doses inicias têm intervalos de 2 meses entre elas, e os reforços programados de 10 em 10 anos.
Há vacinas com toxoide tetânico isolado ou em combinação a um ou mais antígenos, como difteria, pertussis ( causa a coqueluxe), haemophilus, hepatite B, e poliovírus ( causa a poliomielite).
Pneumocócica 23 valente (polissarcarídica)
Recomendada para maiores de 60 anos de idade e pessoas com doenças crônicas tais como cardiopatias, diabéticos, asplênicos, etc., além de outras condições consideradas de risco para a doença pneumocócica.
Pode ser usada a partir de 2 anos de idade sob recomendação médica.
Febre Tifóide (polissacarídica)
De distribuição mundial, a febre tifoide é mais habitual em países onde as condições de saneamento são precários.
As medidas de higiene, como consumir água tratada e alimentos adequadamente preparados são a melhor forma de prevenir a doença.
A vacina não tem indicação indiscriminada.
Está indicada quando o risco de adoecer é elevado, como medida complementar de prevenção.
Deve ser considerada para trabalhadores de saneamento e coletores de lixo.
Diarreia do Viajante
A vacina disponível no Brasil é composta de quatro cepas inativadas do Vibrio cholerae e uma subunidade recombinante da toxina da cólera, e induz proteção satisfatória cerca de uma semana após a conclusão do esquema de imunização primária.
A via de aplicação é oral.
Devem ser vacinadas, as crianças a partir de 2 anos e os adultos que viajarão para regiões com epidemia instalada ou previsão de cólera ou diarréia causada por ETEC ( Escherichia coli enterotoxigênica) ou que permanecerão em áreas de risco para infecção por cólera ou diarréia por ECTEC.
Meningocócica ACWY (conjugada)
A composição antigênica da cápsula permite a classificação de meningococo em 13 diferentes sorogrupos, mas apenas cinco sorogrupos causam doença – A, B, C, W135 e Y.
No Brasil, existe um predomínio do sorogrupo C tanto nos casos esporádicos quanto nos surtos de infecção meningocócica, entretanto outros sorogrupos, como o W135 vem aumentando sua importância.
A epidemiologia da doença meningocócica é dinâmica, podendo sofrer alterações inesperadas de sorogrupos, apontando para se considerar a indicação de uma vacina quadrivalente.
A vacina meningocócica conjugada quadrivalente (tipos A, C, W135, Y) deve ser considerada como opção para a imunização de adolescentes e adultos.
Para profissionais que viajam muito, a vacina meningocócica conjugada quadrivalente A,C, W135, Y deve ser recomendada.
Meningocócica B
Recentemente, a ANVISA aprovou a vacina contra o meningococo do sorogrupo B, do laboratório Novartis com indicação para uso a partir de dois meses até os 50 anos de idade.
Está vacina também está licenciada na Europa, Canadá, Austrália e EUA.
Atualmente, no Brasil, a doença meningocócica é causada em 70% das vezes pelo sorogrupo C, 20% pelo sorogrupo B, e 10% pelo sorogrupo W e Y.
Após a introdução da vacina da meningite C no calendário de rotina da criança no Brasil, e a consequente redução do número de casos de meningite causados pelo meningococo C, o meningococo B passou a ser a principal causa da doença em crianças menores de cinco anos.
A vacina meningocócica B recombinante possui quatro antígenos do meningococo B. No Brasil, essa combinação de antígenos permite estimar uma cobertura de cerca de 80% dos meningococos que ocorrem em nosso país.
Esquema de doses
Faixa Etária de início da vacinação Números de doses do esquema primário Intervalo entre as doses Reforço
2 a 5 meses 3 doses 2 meses Uma dose entre 12 e 15 meses
6 a 11 meses 2 doses 2 meses Uma dose no segundo ano de vida, com intervalo de pelo menos 2 meses da última dose
12 meses a 10 anos 2 doses 2 meses Não foi estabelecida a necessidade de reforços
11 a 50 anos 2 doses 1 mês Não foi estabelecida a necessidade de reforços

A SBIM sugere o seguinte esquema de doses para a rotina de vacinação contra a doença meningocócica em crianças:
. 3 meses: Meningocócica C conjugada e Meningocócica B;
. 5 meses: Meningocócica C conjugada e Meningocócica B;
. 7 meses: Meningocócica B
. 12 a 15 meses: Meningocócica conjugada ACWY(ou Meningocócica C conjugada) e Meningocócica B.
. Para adolescentes o esquema recomendado é de duas doses com intervalo de 1 mês.
Eventos Adversos:
Febre alta, principalmente em lactentes e crianças menores de 2 anos de idade, principalmente nas primeiras 6 horas e regredindo em até 72 horas.
Reações adversas locais: dor, eritema, e edema no local de injeção.
Fonte: Recomendação Sociedade Brasileira de Imunizações - Informe técnico 25/05/2015, vacina Meningite B.
Comissão Técnica de Calendários e Conselhos - SBIM
Raiva (inativada) - Vacina obtida em cultura de células
Indicação
Pré-exposição – para grupos de alto risco de exposição ao vírus da raiva, como veterinários, estudantes de veterinários, pesquisadores, laçadores de cães e outros.
Vacinas – 3 doses nos dias 0, 7 e 28 dias.
Pós-exposição - énecessário lavar as lesões causadas por animais o mais rápido possível.
A indicação da vacina contra raiva e do soro antirrábico de origem eqüina (SAR) ou a Imunoglobulina humana anti-rábica (IGHAR) depende do tipo de acidente e do animal que causou o acidente. Avalição e orientação de médico é necessária.
Se o esquema completo da vacina da raiva for indicado serão cinco doses na seguinte sequência - 0, 3 ,7, 14, 28 dias.
Via de adminstração - intramuscular.
Herpes-Zóster
Indicada para prevenção e complicações do Herpes-Zóster. A vacina contém vírus vivos atenuados, com 14 vezes mais antígenos do que a vacina da varicela do mesmo fabricante.
É licenciada para pessoas com mais de 50 anos de idade.
Recomendada para todas as pessoas com mais de 60 anos, mesmo aquelas que já apresentaram quadro de herpes-zóster. Nesse caso, é preciso aguardar o intervalo mínimo de seis meses e preferencialmente de um ano entre o quadro agudo e a aplicação da vacina.
Esta vacina não faz parte do rol de imunobiológicos disponibilizados pelo Programa Nacional de Imunização na rotina para idosos, mas está disponível nas clínicas privadas de vacinação.
Esquema de doses: Dose única, aplicação subcutânea.
Eventos adversos: A aplicação é geralmente bem tolerada, sendo os eventos adversos restritos basicamente às reações transitórias no local de aplicação e de intensidade não elevada, como dor, prurido e eritema.
Adie a vacinação na presença de doença febril aguda.
Contra-indicada em imunodeprimidos.


OUTRAS VACINAS COMBINADAS:

As vacinas combinadas devem ser adotadas sempre que possível, por causa de sua eficiência e segurança, por ser aplicada em apenas uma injeção e por ser capaz de induzir eventos adversos em menor frequência e intensidade do que se verifica quando seus componentes são aplicados isoladamente.


Hepatite A + B
Uso adulto
A vacinação combinada contra as hepatite A e B é uma opção e pode substituir a vacinação isolada contra as hepatites A e B.
O esquema é 0, 1mes, 6meses.
Quádrupla (tetra) bacteriana acelular com HIB
(difteria, tétano, pertussis, haemophilus influenzae b).
Uso pediátrico.
Quádrupla bacteriana com pólio inativada
(difteria, tétano, pertussis e poliomielite de vírus inativado).
Uso pediátrico.
Quíntupla (Pentavalente)
(difteria, tétano, pertussis haemophilus e poliomielite de vírus inativado).
Uso pediátrico.
Sêxtupla (Hexavalente)
(difteria, tétano, pertussis, haemophilus, poliomielite de vírus inativado e hepatite B).
Uso pediátrico.
Quádrupla bacteriana com pólio inativada)
(difteria, tétano, pertussis e poliomielite vírus inativado).
Uso adulto.

NeoVacinas, Levar seu filho para vacinar é um ato de amor

subir: voltar para o topo da página
BOTAFOGO
Rua Real Grandeza, 139 sala 307 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22281-033
Telefone: (21) 2537-3595 - Celular: (21) 9520-5594 - Fax: (21) 2535-5038
Funcionamento: de segunda a sexta, das 9h às 18h, e sábados, das 9h às 14h30
veja o mapa de localização
BARRA DA TIJUCA
Avenida Ayrton Senna 3000 Loja 1087 - Via Parque Shopping - Barra de Tijuca - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22775-904
Telefones: (21) 3328-9782 e 2421-3139
Funcionamento: Horário comercial do shopping. Sujeito a alterações conforme determinação da administração do Via Parque Shopping
veja o mapa de localização

e-mail: neovacinas@neovacinas.com.br
Clínica de Vacinação Rio de Janeiro - Qualidade em Vacinas
HOME CUIDANDO DA FAMILIA email Siga-nos no facebook