NeoVacinas
HOME Quem somos A clínica Vacinas Perguntas e respostas Calendários Aos profissionais email
Calendários de Vacinação
PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS

PREMATURO
O nascimento de uma criança é um momento de celebração. Ainda no hospital, a família recebe muitas visitas e o contato com pessoas externas torna-se inevitável. Por se tratar de uma criança recém nascida e em alguns casos, prematuras, com baixa imunidade, a atenção deve ser redobrada no que diz respeito à saúde, principalmente quando o assunto é a prevenção a doenças.
VACINAS RECOMENDAÇÕES E
CUIDADOS ESPECIAIS
COMENTÁRIOS DISPONIBILIZAÇÃO DAS VACINAS
Gratuitas nas UBS* e/ou nos CRIEs** Clínicas
particulares
BCG ID Dose única. Se PN** <2.000 g, adiar a vacinação atá que o RN*** atinja peso maior ou igual
a 2.000 g.
Deverá ser aplicada o mais precocemente possível, de preferência ainda na maternidade. Em caso de suspeita de imunodefciência ou RNs cujas mães fizeram uso de drogas imunossupressoras durante a gestação, a vacina pode estar contraindicada (consulte os Calendários de vacinação pacientes especiais). SIM SIM
Anticorpo monoclonal
específico contra o VSR
(palivizumabe)
Estão recomendadas doses mensais consecutivas de 15 mg/kg de peso, via intramuscular, até no
maìximo cinco aplicações para os seguintes grupos:
Prematuros até 28 semanas gestacionais, no primeiro ano de vida.
Prematuros até 32 semanas gestacionais, nos primeiros seis meses de vida.
Bebês com doença pulmonar crônica da prematuridade e/ou cardiopatia congênita, até o segundo ano de vida, desde que esteja em tratamento destas condições nos últimos seis meses.
Utilizar inclusive em RNs hospitalizados.
Deve ser aplicada nos meses de maior circulação do vírus, o que depende da região do Brasil: região Norte, de janeiro a junho; região Sul, de março a agosto; regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste, de fevereiro a julho.
O Ministério da Saúde disponibiliza gratuitamente para:
Prematuros até 28 semanas gestacionais, no primeiro ano de vida.
Bebês com doença pulmonar crônica da prematuridade e/ou cardiopatia congênita, até o segundo ano de vida.
O uso em portadores de doença pulmonar crônica e/ou cardiopatias congênitas está indicado independente da idade gestacional ao nascer.
NA REDE PÚBLICA:
verificar onde está
disponível em cada
município.
SIM
Hepatite B Obrigatoriamente quatro doses (esquema 0-2-4-6 meses ou 0-1-2-6 meses), em RNs nascidos com peso inferior a 2.000 g ou idade gestacional menor que 33 semanas, sendo a primeira dose nas primeiras 12 horas de vida. O uso da vacina combinada DTPa-HB-VIP-Hib deve ser considerado, inclusive para RNs hospitalizados. Os RNs de mães HBSAg+ devem receber ao nascer, além da vacina, imunoglobulina específica contra hepatite B (IGHAHB). SIM, hepatite B e
DTPw-HB-Hib
SIM,
hepatite B e
DTPa-HB-VIP-Hib
Rotavírus
Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida, respeitando-se a idade limite máxima de aplicação da primeira dose de 3 meses e 15 dias de acordo com o Calendário de vacinação Criança.
Vacina de vírus vivo atenuado, oral, e portanto contraindicada em ambiente hospitalar.
Em caso de suspeita de imunodeficiência ou RNs cujas mães fizeram uso
de biológicos durante a gestação, a vacina pode estar contraindicada
(consulte os Calendários de vacinação pacientes especiais).
SIM,
vacina monovalente
SIM,
vacina monovalente
e pentavalente
Tríplice bacteriana
(difteria, tétano,
coqueluche)
Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida, de acordo com o Calendário de vacinação Criança.
Para RNs prematuros, hospitalizados ou não, utilizar preferencialmente vacinas acelulares.
A utilização de vacinas acelulares reduz o risco de eventos adversos.
Em prematuros extremos, considerar o uso de analgésicos/antitérmicos profiláticos com o intuito de reduzir a ocorrência desses eventos, principalmente eventos cardiorrespiratórios e convulsão.
SIM,
DTPa e DTPw-HB-Hib
SIM, DTPa e
DTPa-VIP-Hib e
DTPa-HB-VIP-Hib
Haemophilus
influenzae b
Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida, de acordo com o Calendário de vacinação Criança.
O reforço da vacina Hib deve ser aplicado nessas crianças aos 15 meses de vida.
Na rede pública, a vacina Hib combinada com DTPa não está disponivel, por esse motivo, para os RNPTs extremos, a conduta do Ministério da Saúde é adiar a vacina
Hib para 15 dias após a administração de DTPa. O uso das vacinas combinadas a DTPa (DTPa-HB-VIP-Hib ou DTPa-VIP-Hib) são preferenciais, pois permitem a aplicação
simultanea e se mostraram eficazes e seguras para os RNPTs.
SIM,
Hib e DTPw-HB-Hib
SIM, Hib e
DTPa-VIP-Hib e
DTPa-HB-VIP-Hib
Poliomielite inativada
(VIP)
Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida, de acordo com o Calendário de vacinação Criança. Preferir as vacinas combinadas: DTPa-HB-VIP-Hib e DTPa-VIP-Hib SIM,
VIP
SIM,
DTPa-VIP-Hib e
DTPa-HB-VIP-Hib
Pneumocócica
conjugada
Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida, de acordo com o Calendário de vacinação Criança. RNPTs e de baixo PN apresentam maior risco para o desenvolvimento de doença pneumocócica invasiva, tanto maior quanto menor a idade gestacional e o PN. SIM,
VPC10
SIM,
VPC10 e VPC13
Meningocócicas Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 3 meses de vida, de acordo com o Calendário de vacinação Criança. Sempre que possível, preferir a vacina menACWY no esquema básico e nos reforços; na
sua impossibilidade, utilizar a vacina meningocócica C conjugada. A fim de reduzir a frequência de eventos adversos, a vacina meningocócica B deve ser
aplicada preferencialmente em separado das vacinas pneumocócica e pertussis e deve-se considerar o uso de antitérmico profilático.
SIM,
menC
SIM,
menC, menACWY
e menB
Influenza Vacinar na idade cronológica, iniciando a partir dos 6 meses de vida, de acordo com a sazonalidade
do vírus e com o Calendário de vacinação Criança.
Desde que disponível, a vacina influenza 4V é preferível à vacina influenza 3V, por conferir maior cobertura das cepas circulantes. Na impossibilidade de uso da vacina 4V, utilizar a vacina 3V. SIM,
3V
SIM,
3V e 4V
Febre amarela Vacinar na idade cronológica, aos 9 meses de idade, de acordo com o Calendário de vacinação Criança. Vacina atenuada. Portanto, contraindicada em caso de imunodeficiência. SIM SIM
Imunoglobulina
humana anti-hepatite
B (IGHAHB)
Para RNs de mães portadoras do vírus da hepatite B: 0,5 mL via intramuscular. Aplicar preferencialmente nas primeiras 12 a 24 horas de vida, ateì, no máximo, o sétimo dia de vida. SIM NÃO
Imunoglobulina
humana antivaricela
zóster (IGHVZ)
Está recomendada nas seguintes situações:
Para prematuros nascidos entre 28 semanas e 36 semanas de gestação expostos à varicela, quando a mãe tiver história negativa para varicela.
Para prematuros nascidos com menos de 28 semanas de gestação ou com menos de 1.000 g de peso expostos à varicela, independente da história materna de varicela.
A dose eì de 125 UI por via IM e deve ser aplicada até 96 horas de vida do RN.
Independente da idade gestacional ou PN, recomendar para RN cuja maÞe tenha
apresentado quadro cliìnico de varicela de cinco dias antes até dois dias depois do parto.
SIM NÃO
Imunoglobulina
humana antitetânica
(IGHAT)
Está recomendada na dose de 250 UI, por via IM. Para RNs prematuros com lesões potencialmente
tetanogênicas, independentemente da história vacinal da mãe.
Independente da idade gestacional ou PN, deve ser aplicada para RNs prematuros sob risco potencial de tétano. SIM NÃO
27/06/2018 . O uso simultâneo de múltiplas doses injetáveis em RNPTs pode associar-se à apneia, devendo-se dar preferência à administração de menor número de injeções em cada imunização . Qualquer dose não administrada na idade recomendada deve ser aplicada na visita subsequente . Eventos adversos significativos devem ser notificados às autoridades competentes. Fonte: SBIm 2018/2019 - Associação Brasileira de Imunização
* recém-nascido pré-termo
**
peso ao nascimento
***
recém-nascido
* UBS – Unidades Básicas de Saúde
**
CRIEs – Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais

PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS
CRIANÇA
VACINAS DO NASCIMENTO AOS 2 ANOS DE IDADE DOS 2 AOS 10 ANOS DISPONIBILIZAÇÃO
DAS VACINAS
período em meses período em anos Gratuitas nas Unidades Básicas de Saúde clínicas
privadas
de
vacinação
Ao
nascer
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12 15 18
2
4 5 6 9 10
BCG ID Dose
única
                                    SIM SIM
Hepatite B 1ª dose   2ª dose       3ª dose                         SIM SIM
Tríplice bacteriana
(DTP ou DTPa)
    1ª dose   2ª dose   3ª dose         reforço   reforço       DTPw DTPa e dTpa
Haemophilus
influenzae
b
    1ª dose   2ª dose   3ª dose         reforço             SIM, para 3
primeiras doses
SIM
Poliomielite
(vírus inativados)
    1ª dose   2ª dose   3ª dose         reforço   reforço       SIM, VIP para as 3 primeiras
doses e VOP nas doses de
reforços e campanhas
para crianças de 1 a 4 anos
SIM, somente nas apresentações
combinadas com DTPa e dTpa
Rotavírus     2 ou 3 doses, dependendo da vacina utilizada                     SIM, vacina
monovalente
SIM, vacina
monovalente e
pentavalente
Pneumocócica
conjugada
    1ª dose   2ª dose   3ª dose       reforço               SIM, VPC10 para menores de 5 anos SIM
VPC10 e VPC13
Meningocócica
conjugada
      duas ou três doses, dependendo da vacina utilizada     MenACWY       MenACWY     SIM, menC para menores de 5 anos SIM, menC e
menACWY
Meningocócica B       1ª dose   2ª dose   3ª dose     reforço               NÃO SIM
Influenza (gripe)             Dose anual. Duas doses na primovacinação antes dos 9 anos SIM, 3V para menores
de 5 anos
e grupos de risco
SIM,
3V e 4V
Poliomielite oral
(vírus vivos atenuados)
                    DIAS NACIONAIS DE VACINAÇÃO         SIM NÃO
Febre amarela                   Dose única                   SIM SIM
Hepatite A                     1ª dose   2ª dose             SIM, dose única aos 15
meses (até menores de
5 anos)
SIM
Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola)                     1ª dose 2ª dose           SIM SIM
Varicela (catapora)                     1ª dose 2ª dose           SIM, duas doses (aos 15 meses e entre
4 e 6 anos)
SIM
HPV                                   2 doses SIM, HPV4 - 2 doses para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos SIM
Vacina tríplice bacteriana
acelular do tipo adulto
(dTpa)
                                  reforço NÃO SIM
Dengue                                   3 doses   NÃO SIM
Fonte: SBIm 2018/2019 - Associação Brasileira de Imunização

24/06/2018 • Sempre que possível, preferir vacinas combinadas • Sempre que possível, considerar aplicações simultâneas na mesma visita • Qualquer dose não administrada na idade recomendada deve ser aplicada na visita subsequente • Eventos adversos significativos devem ser notificados às autoridades competentes.

PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS
ADOLESCENTE (de 12 a 18 anos de idade)
O Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde tem direcionado o seu foco de atenção muito além das crianças menores de cinco anos, como inicialmente proposto no início dos anos setenta. O aumento desta prática decorre da necessidade de prestar atenção integral à saúde do adolescente, grupo vulnerável a acidentes, violência, uso de drogas, DST/AIDS, gravidez precoce, doenças preveníveis por vacinação, dentre outros. Verifique se seu filho está em dia com o esquema de vacinas proposto no calendário de vacinação do adolescente.
VACINAS COMENTÁRIOS
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
Dose única para adolescentes previamente vacinados.
Duas doses (com intervalo mínimo de 30 dias entre elas) para aqueles que nunca receberam a tríplice viral ou a dupla viral ou que desconhecem seu passado vacinal. Contra-indicada em imunodeprimidos e gestantes.
Meningocócica Conjugada Uma dose, mesmo para aqueles vacinados na infância ou há mais de cinco anos.
Dose de reforço é recomendada a partir dos 11 anos ou para aqueles vacinados há mais de cinco anos. A vacina meningocócica conjugada quadrivalente (tipos A.C, W135 e Y) deve ser considerada opção para a imunização de adolescentes.
Influenza (gripe) Dose única anual. Cepas circulantes; diferentes a cada ano.
No hemisfério sul a temporada ou variação sazonal é de abril a setembro.
HPV • Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo os tipos 6, 11, 16, 18 de HPV com esquemas de intervalos de 0-2-6 meses, indicada para meninas, meninos e jovens de nove a 26 anos de idade; outra, contendo os tipos 16 e 18 de HPV com esquemas de intervalos de 0-1-6 meses, indicada para meninas e mulheres de 10 a 25 anos de idade.
• Vacina HPV indicada para a prevenção de infecções por papilomavírus. Sempre que possível, a vacina contra HPV deve ser aplicada preferencialmente na adolescência, antes de iniciada a vida sexual, entre 11 e 12 anos de idade.
O Papilomavírus pode ser transmitido mesmo sem manifestação visível, tornando maior o risco de contágio.
• A ANVISA licenciou a vacina quadrivalente contra o HPV contendo os tipos 16, 18, 6 e 11 para a proteção de meninos e jovens entre nove (9) e 26 anos de idade, com esquema de 0-2-6 meses.
Hepatite A Esquema: duas doses - 2ª dose seis meses após a 1ª dose (esquema 0-6 meses).
Adolescentes não vacinados na infância contra as hepatites A e B devem ser vacinados o mais precocemente possível contra essas infecções.
Em adolescentes com menos de 16 anos indica-se também o esquema de duas doses com intervalo de seis meses (esquema 0 - 6 meses) quando usada a apresentação para adulto da vacina combinada contra hepatite A e B.
Hepatite B Esquema: três doses - a 2ª dose um mês depois da 1ª dose e a 3ª dose seis meses após a 1ª dose (esquema 0-1-6 meses).
Adolescentes não vacinados na infância contra as hepatites A e B devem ser vacinados o mais precocemente possível contra essas infecções.
Em adolescentes com menos de 16 anos indica-se também o esquema de duas doses com intervalo de seis meses (esquema 0 - 6 meses) quando usada a apresentação para adulto da vacina combinada contra hepatite A e B.
Hepatite A+B Esquema: três doses - a 2ª dose um mês depois da 1ª dose e a 3ª dose seis meses após a 1ª dose (esquema 0-1-6 meses).
Adolescentes não vacinados na infância contra as hepatites A e B devem ser vacinados o mais precocemente possível contra essas infecções.
Em adolescentes com menos de 16 anos indica-se também o esquema de duas doses com intervalo de seis meses (esquema 0 - 6 meses) quando usada a apresentação para adulto da vacina combinada contra hepatite A e B.
A vacinação combinada contra as hepatites A e B é uma opção e pode substituir a vacinação isolada contra as hepatites A e B.
Febre amarela Esquema: uma dose a cada 10 anos para pessoas que se deslocam para áreas endêmicas (território nacional ou internacional).
Indicada para residentes em áreas endêmicas de febre amarela e para as pessoas que vão viajar ou se mudar para essas regiões, assim como para atender as exigências sanitárias de determinadas viagens internacionais.
Vacina contra-indicada para imunodeprimidos e gestantes, exceto quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais da vacinação.
Recomenda-se vacinar 10 dias antes da viagem.
Quadra
(Difteria, Tétano, Coqueluche e Poliomielite Inativada)
Uma dose entre 10 e 11 anos, dez anos após a última dose para o reforço imunológico dos adolescentes.
Com esquema de vacinação básico completo: reforço com QUADRA (dTpa+VIP). O uso da QUADRA - Difteria, Tétano, Coqueluche e Poliomielite Inativada (dTpa+VIP) indicada para reforço da imunidade, principalmente, da coqueluche (pertussis). Pode substituir a vacina dT ou dTpa no reforço.
Na mesma vacina proteção contra a poliomielite (em decorrência de viagens a países de risco de contaminação com o pólio selvagem).
Tríplice bacteriana
(Difteria, Tétano e Coqueluche)
Com esquema de vacinação básico contra o tétano completo: reforço a partir dos 11 anos com dTpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto).
Com esquema de vacinação básico contra o tétano incompleto: uma dose de dTpa a qualquer momento e completar a vacinação básica com uma ou duas doses de dT (dupla bacteriana do tipo adulto) de forma a totalizar três doses de vacina contendo o componente tetânico. Em ambos os casos, na impossibilidade do uso da vacina dTpa, substituir a mesma pela vacina dT.
A disponibilidade da vacina tríplice contra tétano, difteria e pertussis acelular (dTpa), formulada para uso em adolescentes e adultos, oferece novas oportunidades para reduzir o impacto da coqueluche. O uso dessa vacina confere proteção contra as três doenças e potencialmente deve reduzir a transmissão da coqueluche para outros grupos com alto risco de complicações.
Varicela (catapora) Duas doses, com intervalo de um a dois meses entre elas.
Indicada para adolescentes sem história de Catapora. Contra-indicada em imunodeprimidos e gestantes.
Aplicar Tríplice Viral e Varicela no mesmo dia (simultâneas), se não considerar intervalo mínimo de 30 dias.
Fonte: SBIm 2017/2018 - Associação Brasileira de Imunização

PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS
ADULTO (20 a 59 anos)
Engana-se quem acha que apenas crianças devem estar vacinadas contra certos tipos de doenças. Em todas as fases de nossa vida, estamos suscetíveis a infecções por vírus e bactérias que, se não tratadas, podem causar muitos problemas.
VACINAS COMENTÁRIOS
Febre amarela Uma dose a cada dez anos. Recomenda-se vacinar dez dias antes da viagem. Indicada para pessoas que se deslocam para áreas endêmicas (territórios nacional ou internacional). Os imunodeprimidos e as gestantes devem ser avaliados caso os riscos de adquirir a doença superem os riscos potenciais da vacina.
Hepatite A Duas doses: a 2ª dose seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses: a 2ª dose um mês após a 1ª e a 3ª dose seis meses após a 1ª dose.
Hepatite A+B Três doses: a 2ª dose um mês após a 1ª e a 3ª dose seis meses após a 1ª dose.
Influenza (gripe) Dose anual.
Meningocócica C Conjugada Dose única.
Tríplice Bacteriana
Difteria, Tétano e Coqueluche Acelular (dTpa-R) ou Dupla Bacteriana do tipo Adulto (Difteria e Tétano -dT).
Esquema básico completo (três doses):
apenas uma dose de reforço com dTpa (acelular do tipo adulto) e uma dose a cada dez anos.
Esquema incompleto ou desconhecido (com menos de três doses anteriores das vacinas dT, DTP ou DTPa): completar o esquema com as três doses, aplicando uma dose de dTpa (acelular do tipo adulto) e uma ou duas doses de dT (dupla bacteriana do tipo adulto).
Não vacinado: três doses. A vacina dTpa está especificamente indicada para adultos que convivem ou cuidam de crianças menores de um ano e lactentes, devido a estes serem portadores da bactéria Bordetella pertusis.
Tríplice Viral SCR
(Sarampo, Caxumba e Rubéola)
Até 49 anos.
Uma ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Dose única para homens e mulheres com mais de 49 anos.
Varicela Adulto sem história de Varicela - Duas doses, com intervalo de dois meses.
Fonte: SBIm 2017/2018 - Associação Brasileira de Imunização
 

PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS
MULHER
É muito importante que as mulheres estejam atentas ao seu calendário de vacinação. Principalmente aquelas que estão planejando ter um bebê. Existem algumas doses específicas que deverão ser tomadas antes da gestação, a fim de anular ou minimizar certos problemas. Outras vacinas que também são muito importantes para a saúde da mulher estão disponíveis no calendário de vacinação, logo abaixo. Entre elas, a dose para a prevenção do vírus HPV é considerada uma das mais importantes, por se tratar de uma doença que pode levar ao desenvolvimento de câncer do colo do útero.
VACINAS ESQUEMA GESTANTE COMENTÁRIOS
Febre amarela Uma dose (que deverá ser repetida de dez em dez anos), para quem vive ou vai se deslocar para áreas endêmicas. Em geral, contraindicada. Deve ser considerada em situações de riscos. A vacina de febre amarela, apesar de vacina de vírus atenuado de risco teórico para o feto (e por isso contra-indicada para gestantes), nos locais em que a doença seja altamente endêmica e os riscos de adquirir febre amarela supere os riscos de eventos adversos graves pela vacina antiamarílica, esta deve ser aplicada mesmo durante a gravidez.
Essa vacina está contra-indicada durante a lactação até que o bebê complete seis meses de idade.
Hepatite A Duas doses, no esquema 0-6 meses. A administração em gestantes deve ser considerada em situações de risco especiais. A vacina de hepatite A é inativada, portanto, sem evidências de riscos teóricos para a gestante e o feto. Deve ser preferencialmente aplicada fora do período da gestação, mas em situações de risco a exposição ao vírus não está contra-indicada em gestantes.
Hepatite B Três doses, no esquema 0-1-6 meses. A vacina deve ser considerada em situações especiais de risco. Se ainda não fez a vacina de Hepatite A, recomenda-se, preferencialmente, a vacina combinada contra as Hepatites A e B.
Hepatite A+B Três doses, no esquema 0-1-6 meses. A vacinação combinada contra as hepatites A e B é uma opção e pode substituir a vacinação isolada contra as hepatites A e B. A ser considerada em situações de riscos. Avaliar a situação.
HPV A vacina HPV deve ser indicada para a prevenção de infecções por papilomavírus. Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo os tipos 6, 11, 16, 18 de HPV com esquemas de intervalos de 0-2-6 meses, indicada para homens e mulheres de 09 a 26 anos de idade; outra, contendo os tipos 16 e 18 de HPV com esquemas de intervalos de 0-1-6 meses, indicada para meninas e mulheres de 10 a 25 anos de idade. Contraindicada. A vacinação de mulheres com mais de 26 anos é considerada segura e eficaz por órgãos regulatórios de alguns países do mundo. A melhor época para vacinar é a adolescência, mas, a critério médico, mulheres com mais de 25 ou 26 anos, mesmo que previamente infectadas, podem ser vacinadas.
Influenza (gripe) Dose única anual. Recomendada.
A gestante inclui-se no grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus da influenza. A vacina de influenza está indicada nos meses da sazonalidade do vírus. A utilização dessa vacina pode ser considerada a partir do segundo trimestre da gravidez. Porém, em gestante com condições médicas que aumentem o risco de complicação devido a gripe, o médico deverá avaliar a necessidade da vacinação no primeiro trimestre da gestação.
As gestantes são grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus da influenza.
Meningocócica C Conjugada Uma dose, mesmo para aquelas vacinadas na infância ou há mais de cinco anos. Deve ser considerada em situações de riscos. Meningocócica C ou Meningocócica A, C, W,135,Y.
As vacinas meningocócicas conjugadas são inativadas, portanto sem evidências de riscos teóricos para a gestante e o feto. No entanto, na gestação está indicada apenas nas situações de surtos da doença.
Tríplice Bacteriana Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto) ou dT (dupla do tipo adulto), de 10 em 10 anos.
Com esquema de vacinação básica incompleta (que tenha recebido menos de três doses do componente tetânico durante a vida): uma dose de dTpa, seguida por uma ou duas doses de dT para completar o esquema 0-2-6 meses.
A vacina dTpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto) é vacina inativada, portanto, sem evidências de riscos teóricos para a gestante e o feto e não contra-indicada nessa fase. O uso de dTpa em gestantes é recomendado após a 20ª semana de gestação. No entanto, devemos ressaltar que não há dados que descartem a possibilidade de interferência na resposta imune à vacina tríplice bacteriana aplicada na criança. Avaliar a situação.
Histórico vacinal: Previamente vacinada, com pelo menos três doses de vacina contendo o toxóide, tendo recebido a última dose há menos de cinco anos.
Conduta na gravidez: Nada ou dTpa.
Conduta após a gravidez: Fazer dTpa no puerpério se optou por não vacinar durante a gestação.
Histórico Vacinal: Previamente vacinadas, com pelo menos três doses de vacina contendo o toxóide, tendo recebido a última dose há mais de cinco anos.
Conduta na gravidez: Uma dose de dT ou dTpa.
Conduta após a gravidez: Fazer dTpa no puerpéro, se optou por vacinar com dT durante a gestação.
Histórico Vacinal: Em gestantes que receberam vacinação incompleta contra tétano, tendo recebido apenas uma dose na vida.
Conduta na gravidez: Aplicar uma dose de dT e uma dose de dTpa ou dT com intervalo de 2 meses.
Conduta após a gravidez: Fazer dTpa no puerpéro, se optou por não vacinar com dTpa durante a gestação.
Histórico Vacinal: Em gestantes que receberam vacinação incompleta contra tétano, tendo recebido apenas duas doses na vida.
Conduta na gravidez: Uma dose de dT ou dTpa.
Conduta após gravidez: Fazer dTpa no puerpéro, se optou por não vacinar com dTpa durante a gestação.
Histórico Vacinal: Em gestantes com vacinação desconhecida.
Conduta na gravidez: Aplicar uma dose de dT e uma dose de dTpa ou dT com intervalo de 2 meses.
Conduta após gravidez: Fazer dTpa no puerpéro, se optou por não vacinar com dTpa durante a gestação.
Tríplice Viral
(Sarampo, Caxumba, Rubéola)
Uma ou duas doses (com intervalo mínimo de 30 dias) para mulheres com até 49 anos de idade, de acordo com histórico vacinal, de forma que todas recebam no mínimo duas doses na vida. Dose única para mulheres com mais de 49 anos de idade. Contraindicada. Vacina de vírus atenuados de risco teórico para o feto, portanto, contraindicada em gestantes.
Varicela Duas doses com intervalo de dois meses entre elas. Contraindicada. As vacinas de VARICELA, FEBRE AMARELA e TRIPLICE VIRAL se não aplicadas no mesmo dia (simultânea), dar intervalo de 30 dias entre as aplicações.
Fonte: SBIm 2017/2018 - Associação Brasileira de Imunização

PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS
IDOSO (acima de 60 anos)
Em todas as fases de nossa vida, estamos suscetíveis a infecções por vírus e bactérias que, se não tratadas, podem causar muitos problemas. Algumas delas como, por exemplo, a pneumonia e a gripe (Influenza) acometem frequentemente adultos e idosos, aumentando o índice de mortalidade principalmente em pessoas com mais de 60 anos.
VACINAS
COMENTÁRIOS
Febre amarela Uma dose a cada dez anos. Recomenda-se vacinar dez dias antes da viagem. Indicada para pessoas que se deslocam para áreas endêmicas (territórios nacional ou internacional). Os imunodeprimidos e as gestantes devem ser avaliados caso os riscos de adquirir a doença superem os riscos potenciais da vacina.
Hepatite A Duas doses: a 2ª dose seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses: a 2ª dose um mês após a 1ª e a 3ª dose seis meses após a 1ª dose.
Hepatite A+B Três doses: a 2ª dose um mês após a 1ª e a 3ª dose seis meses após a 1ª dose.
Influenza (gripe) Dose anual.
Meningocócica C Conjugada Dose única.
Tríplice Bacteriana
Difteria, Tétano e Coqueluche Acelular (dTpa-R) ou Dupla Bacteriana do tipo Adulto (Difteria e Tétano -dT).
Esquema básico completo (três doses):
apenas uma dose de reforço com dTpa (acelular do tipo adulto) e uma dose a cada dez anos.
Esquema incompleto ou desconhecido (com menos de três doses anteriores das vacinas dT, DTP ou DTPa): completar o esquema com as três doses, aplicando uma dose de dTpa (acelular do tipo adulto) e uma ou duas doses de dT (dupla bacteriana do tipo adulto).
Não vacinado: três doses. A vacina dTpa está especificamente indicada para adultos que convivem ou cuidam de crianças menores de um ano e lactentes, devido a estes serem portadores da bactéria Bordetella pertusis.
Tríplice Viral SCR
(Sarampo, Caxumba e Rubéola)
Até 49 anos.
Uma ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Dose única para homens e mulheres com mais de 49 anos.
Varicela Adulto sem história de Varicela - Duas doses, com intervalo de dois meses.
Pneumocócica 23v Dose única. Reforço cinco anos após a 1a dose. Indicada para pessoas com doenças crônicas (cardiopatias, pneumopatias, diabetes, entre outras).
Fonte: SBIm 2017/2017 - Associação Brasileira de Imunização

PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS
OCUPACIONAL
Passamos mais da metade de nosso tempo no ambiente de trabalho. Para que a produtividade e a qualidade de vida sejam preservadas é fundamental estar prevenido contra certas enfermidades. Alguns indivíduos ou grupos são considerados de risco, como policiais, bombeiros, metalúrgicos e principalmente pessoas que trabalham no ramo da saúde, pois essas podem tanto contrair infecções como transmitir aos pacientes que estão sob seus cuidados. Além desses grupos, trabalhadores de outras áreas também podem estar prevenidos. Um exemplo muito comum é a gripe (influenza), que ainda nos dias atuais acomete grande parte da população, aumentando consideravelmente o índice de absenteísmo nas empresas.
ESPECIAPIDADE VACINAS INDICADAS ESQUEMAS E RECOMENDAÇÕES
Administrativos Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
Uma ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Amarela Uma dose a cada dez anos.
Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Alimentos e Bebidas Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Tifóide Uma dose a cada três ou cinco anos, para quem vive ou vai deslocar-se para áreas endêmicas.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Animais Raiva Humana Esquema pré-exposição 3 doses: 0, 7, 14 a 21 dias. 2ª dose 7 dias depois da 1ª e 3ª dose de 14 a 21 dias depois da 2ª dose.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Amarela Uma dose a cada dez anos.
Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
Uma ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Aviação e Navegação Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Febre Amarela Uma dose a cada dez anos.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª dose e a 2ª dose e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Hepatite A+B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª e a 2ª dose, e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Varicela A partir de 13 anos de idade: duas doses com intervalo de dois meses.
Coletores de Lixo Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Raiva Humana Esquema pré-exposição 3 doses: 0, 7, 14 a 21 dias. 2ª dose 7 dias depois da 1ª e 3ª dose de 14 a 21 dias depois da 2ª dose.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª dose e a 2ª dose e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Hepatite A+B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª e a 2ª dose, e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Febre Tifóide Uma dose a cada três ou cinco anos, para quem vive ou vai deslocar-se para áreas endêmicas.
Profissionais de Educação Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Varicela A partir de 13 anos de idade: duas doses com intervalo de dois meses.
Febre Amarela Uma dose a cada dez anos.
Dejetos e Águas Contaminadas Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Febre Tifóide Uma dose a cada três ou cinco anos, para quem vive ou vai deslocar-se para áreas endêmicas.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª dose e a 2ª dose e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Hepatite A+B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª e a 2ª dose, e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Manicures e Pedicures Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Hepatite B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª dose e a 2ª dose e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Militares, Policiais e Bombeiros Varicela A partir de 13 anos de idade: duas doses com intervalo de dois meses.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Raiva Humana Esquema pré-exposição 3 doses: 0, 7, 14 a 21 dias. 2ª dose 7 dias depois da 1ª e 3ª dose de 14 a 21 dias depois da 2ª dose.
Meningocócica C Conjugada Dose única.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª dose e a 2ª dose e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Hepatite A+B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª e a 2ª dose, e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Tifóide Uma dose a cada três ou cinco anos, para quem vive ou vai deslocar-se para áreas endêmicas.
Saúde Varicela A partir de 13 anos de idade: duas doses com intervalo de dois meses.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Difiteria, Tétano e Coqueluche ESQUEMA 1: Com esquema de vacinação básica completo: reforço com dTpa e, após, uma dose de dT/TT a cada dez anos.
ESQUEMA 2: Com esquema de vacinação básica incompleto: uma dose de dTpa e uma ou duas doses de dT/TT.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª dose e a 2ª dose e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Hepatite A+B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª e a 2ª dose, e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Sexo HPV Para mulheres na prevenção da infecção pelo Papilomavírus Humano: de 9 até 26 anos, três doses, no esquema 0-2-6 meses com a vacina do laboratório MSD ou de 10 ate? 25 anos, três doses, no esquema 0-1-6 meses com a vacina do laboratório GSK.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª dose e a 2ª dose e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Hepatite A+B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª e a 2ª dose, e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Turismo Raiva Humana Esquema pré-exposição 3 doses: 0, 7, 14 a 21 dias. 2ª dose 7 dias depois da 1ª e 3ª dose de 14 a 21 dias depois da 2ª dose.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Febre Amarela Uma dose a cada dez anos.
Cólera (Diarréia do viajante) Depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminadas que serão consumidas durante a viagem. Os países mais afetados são os da África, Ásia e América do Sul.
ESQUEMA: Para cólera a eficácia protetora é de 80-85%, nos primeiros 6 meses em todas as faixas etárias. Diarréia do Viajante garante 60% com imunidade de 3 meses. Deverão ser vacinadas crianças a partir dos dois anos e adultos que viajarem para áreas de risco.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
Uma ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Viajam muito Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Duas doses, com intervalo de seis meses após a 1ª dose.
Hepatite B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª dose e a 2ª dose e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Hepatite A+B Três doses, com intervalo de um mês entre a 1ª e a 2ª dose, e de cinco meses entre a 2ª e a 3ª doses.
Febre Amarela Uma dose a cada dez anos.
Cólera (Diarréia do viajante) Depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminadas que serão consumidas durante a viagem. Os países mais afetados são os da África, Ásia e América do Sul.
ESQUEMA: Para cólera a eficácia protetora é de 80-85%, nos primeiros 6 meses em todas as faixas etárias. Diarréia do Viajante garante 60% com imunidade de 3 meses. Deverão ser vacinadas crianças a partir dos dois anos e adultos que viajarem para áreas de risco.
Tríplice viral
(sarampo, caxumba e rubéola)
Uma ou duas doses, intervalo mínimo de quatro meses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme a história vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Fonte: SBIm 2017/2018 - Associação Brasileira de Imunização

PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS
VIAJANTE
Se você vai viajar, arrume suas malas, mas olhe seu cartão de vacinação. Esse momento é oportuno para atualizar suas vacinas. Veja as principais vacinas a serem tomadas antes de sua viagem.
Para maiores informações consulte também o site da Anvisa.
BRASIL
REGIÃO VACINAS COMENTÁRIOS
SUL Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Amarela Aplicação de dose a cada 10 anos. Quem vai viajar para áreas endêmicas deverá tomar a vacina 10 dias antes. A vacina é contra indicada em imunodeprimidos e gestantes, exceto quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais de vacinação.
SUDESTE
--
--
NORTE Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Amarela Recomendado para todos os viajantes maior de 9 meses de idade, indo para as seguintes áreas: estados inteiros do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins.
Quem vai viajar para áreas endêmicas deverá tomar a vacina 10 dias antes.
A vacina é contra indicada em imunodeprimidos e gestantes, exceto quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais de vacinação.
Esquema: Aplicação de dose a cada 10 anos.
Febre Tifóide Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar na América do Sul tropical, especialmente se ficar com os amigos ou parentes ou visitando pequenas cidades, vilas ou áreas rurais, onde a exposição pode ocorrer através de alimentos ou água contaminados.
Hepatite A Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar em areas de riscos dos estados da região norte que se encontra em nível de alto risco de infecção pelo vírus. A exposição pode ocorrer por meio de alimentos ou água contaminados.
Esquema: Duas doses com intervalo de seis meses após a primeira (0-6).
Hepatite B Recomendado para todas as pessoas não vacinadas que viajam ou trabalham em áreas de risco, como a Região Norte que se encontra em nível de alta endemia para o vírus de hepatite B, especialmente aqueles que possam estar expostas a sangue ou fluidos corporais, contato sexual com a população local, ou ser exposto por meio de tratamento médicos (por exemplo, por um acidente).
Esquema: Três doses. A segunda deverá ser aplicada 1 mês após a primeira dose e a terceira deverá ser aplicada 6 meses após a primeira (0-1-6).
Hepatite A+B Para aqueles que não possuem o esquema de vacinação contra a Hepatite A e Hepatite B, o Sabinvacinas disponibiliza a vacina combinada contra Hepatite A+B.
Esquema: Três doses. A segunda dose será aplicada 1 mês após a primeira dose. A terceira dose será aplicada 6 meses após a primeira dose (0-1-6).
Raiva Recomendação pessoas que desenvolvem trabalho de campo (pesquisas, investigações eco-epidemiológicas) com animais silvestres; guias de ecoturismo, pescadores e outros que trabalham em áreas de risco. Pessoas com risco de exposição ocasional ao vírus, como turistas que viajam para áreas de raiva não controlada devem ser avaliadas individualmente, podendo receber a profilaxia pré-exposição, dependendo do risco a que estarão expostos durante a viagem. No Brasil,a raiva é endêmica, em grau diferenciado de acordo com a região. Na Região Norte há ocorrência de surtos de raiva humana no estado Pará.
Esquema: Três doses nos dias 0, 7 e 28.
Observação: Os viajantes, em caso de mordeduras, deverão lavar o local com água e sabão e soluções iodadas, procedimento que reduz muito o risco de aquisição da raiva. Devem, também, proucurar as autoridades de saúde locais o mais breve possível a fim de receber a profilaxia pós-exposição.
Cólera (Diarréia do viajante) O risco de contaminação depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminados e consumidos durante a viagem.
NORDESTE Hepatite A Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar em areas de riscos dos estados da região norte que se encontra em nível de alto risco de infecção pelo vírus. A exposição pode ocorrer por meio de alimentos ou água contaminados.
Esquema: Duas doses com intervalo de seis meses após a primeira (0-6).
Hepatite B Recomendado para todas as pessoas não vacinadas que viajam ou trabalham em áreas de risco, como a Região Norte que se encontra em nível de alta endemia para o vírus de hepatite B, especialmente aqueles que possam estar expostas a sangue ou fluidos corporais, contato sexual com a população local, ou ser exposto por meio de tratamento médicos (por exemplo, por um acidente).
Esquema: Três doses. A segunda deverá ser aplicada 1 mês após a primeira dose e a terceira deverá ser aplicada 6 meses após a primeira (0-1-6).
Hepatite A+B Para aqueles que não possuem o esquema de vacinação contra a Hepatite A e Hepatite B, o Sabinvacinas disponibiliza a vacina combinada contra Hepatite A+B.
Esquema: Três doses. A segunda dose será aplicada 1 mês após a primeira dose. A terceira dose será aplicada 6 meses após a primeira dose (0-1-6).
Febre Tifóide Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar na América do Sul tropical, especialmente se ficar com os amigos ou parentes ou visitando pequenas cidades, vilas ou áreas rurais, onde a exposição pode ocorrer através de alimentos ou água contaminados.
Febre Amarela Recomendado para todos os viajantes maior de 9 meses de idade, que se deslocarem das Áreas Sem Recomendação de Vacina (ASRV) para Áreas Com Recomendação da Vacina (ACRV).
Quem vai viajar para áreas endêmicas deverá tomar a vacina 10 dias antes.
A vacina é contra indicada em imunodeprimidos e gestantes, exceto quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais de vacinação.
Esquema: Aplicação de dose a cada 10 anos.
CENTRO-OESTE Febre Amarela Quem vai viajar para áreas endêmicas deverá tomar a vacina 10 dias antes.
A vacina é contra indicada em imunodeprimidos e gestantes, exceto quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais de vacinação.
Esquema: Aplicação de dose a cada 10 anos.
Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Tifóide Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar na América do Sul tropical, especialmente se ficar com os amigos ou parentes ou visitando pequenas cidades, vilas ou áreas rurais, onde a exposição pode ocorrer através de alimentos ou água contaminados.
Fonte: SBIm 2017/2018 - Associação Brasileira de Vacinação

CONTINENTES
REGIÃO VACINAS COMENTÁRIOS
EUROPA Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Dusa doses: a segunda é aplicada 6 meses após a primeira.
Hepatite A+B Esquema: Três doses. A segunda deverá ser aplicada um mês após a 1ª e a 3ª seis meses após a 1ª.
Sarampo Alguns países da Europa e da Ásia têm registrado surtos da doença.
Esquema: Verificar a situação vacinal. O Viajante deverá ter tomado apenas 1 dose da vacina Tríplice Viral (SCR) que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. É contra indicada em gestantes e imunodeprimidos.
OCEANIA Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Tifóide Depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminadas que serão consumidas durante a viagem. Frequentemente em países Industrializados, como áreas da Ásia, África, América Latina, Caribe e Oceania (com exceção da Austrália e Nova Zelândia).
Esquema: Dose única. Repetir após 3 anos se for voltar à área de risco.
AMÉRICA DO SUL Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Amarela Aplicação de dose a cada 10 anos. Quem vai viajar para áreas endêmicas deverá tomar a vacina 10 dias antes. A vacina é contra indicada em imunodeprimidos e gestantes, exceto quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais de vacinação.
Cólera (Diarréia do viajante) Depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminadas que serão consumidas durante a viagem. Os países mais afetados são os da África, Ásia e América do Sul.
Esquema: Para cólera a eficácia protetora é de 80-85%, nos primeiros 6 meses em todas as faixas etárias. Diarréia do Viajante garante 60% com imunidade de 3 meses. Deverão ser vacinadas crianças a partir dos dois anos e adultos que viajarem para áreas de risco.
Febre Tifóide Depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminadas que serão consumidas durante a viagem.
Frequentemente em países Industrializados, como áreas da Ásia, África, América Latina, Caribe e Oceania (com exceção da Austrália e Nova Zelândia).
Esquema: Dose única. Repetir após 3 anos se for voltar à área de risco.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Duas doses com intervalo de seis meses após a primeira (0-6).
Hepatite B No Brasil, outros países da América do Sul e Central, no continente Africano e Asiático e norte da América do Norte.
Esquema:
Três doses. A segunda deverá ser aplicada 1 mês após a primeira dose e a terceira deverá ser aplicada 6 meses após a primeira (0-1-6).
Hepatite A+B Para aqueles que não possuem o esquema de vacinação contra a Hepatite A e Hepatite B, o Sabinvacinas disponibiliza a vacina combinada contra Hepatite A+B.
Esquema: Três doses. A segunda dose será aplicada 1 mês após a primeira dose. A terceira dose será aplicada 6 meses após a primeira dose (0-1-6).
AMÉRICA DO NORTE Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite B No Brasil, outros países da América do Sul e Central, no continente Africano e Asiático e norte da América do Norte.
Esquema: Três doses. A segunda deverá ser aplicada 1 mês após a primeira dose e a terceira deverá ser aplicada 6 meses após a primeira (0-1-6).
Hepatite A+B Para aqueles que não possuem o esquema de vacinação contra a Hepatite A e Hepatite B, o Sabinvacinas disponibiliza a vacina combinada contra Hepatite A+B.
Esquema: Três doses. A segunda dose será aplicada 1 mês após a primeira dose. A terceira dose será aplicada 6 meses após a primeira dose (0-1-6).
AMÉRICA CENTRAL Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Duas doses com intervalo de seis meses após a primeira (0-6).
Hepatite B No Brasil, outros países da América do Sul e Central, no continente Africano e Asiático e norte da América do Norte.
Esquema:
Três doses. A segunda deverá ser aplicada 1 mês após a primeira dose e a terceira deverá ser aplicada 6 meses após a primeira (0-1-6).
Hepatite A+B Para aqueles que não possuem o esquema de vacinação contra a Hepatite A e Hepatite B, o Sabinvacinas disponibiliza a vacina combinada contra Hepatite A+B.
Esquema: Três doses. A segunda dose será aplicada 1 mês após a primeira dose. A terceira dose será aplicada 6 meses após a primeira dose (0-1-6).
Febre Tifóide Depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminadas que serão consumidas durante a viagem. Frequentemente em países Industrializados, como áreas da Ásia, África, América Latina, Caribe e Oceania (com exceção da Austrália e Nova Zelândia).
Esquema: Dose única. Repetir após 3 anos se for voltar à área de risco.
ÁSIA Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar em areas de riscos dos estados da região norte que se encontra em nível de alto risco de infecção pelo vírus. A exposição pode ocorrer por meio de alimentos ou água contaminados.
Esquema: Duas doses com intervalo de seis meses após a primeira (0-6).
Hepatite B Recomendado para todas as pessoas não vacinadas que viajam ou trabalham em áreas de risco, como a Região Norte que se encontra em nível de alta endemia para o vírus de hepatite B, especialmente aqueles que possam estar expostas a sangue ou fluidos corporais, contato sexual com a população local, ou ser exposto por meio de tratamento médicos (por exemplo, por um acidente).
Esquema: Três doses. A segunda deverá ser aplicada 1 mês após a primeira dose e a terceira deverá ser aplicada 6 meses após a primeira (0-1-6).
Hepatite A+B Para aqueles que não possuem o esquema de vacinação contra a Hepatite A e Hepatite B, o Sabinvacinas disponibiliza a vacina combinada contra Hepatite A+B.
Esquema: A segunda dose será aplicada 1 mês após a primeira dose. A terceira dose será aplicada 6 meses após a primeira dose (0-1-6).
Febre Tifóide Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar na América do Sul tropical, especialmente se ficar com os amigos ou parentes ou visitando pequenas cidades, vilas ou áreas rurais, onde a exposição pode ocorrer através de alimentos ou água contaminados.
Cólera (Diarréia do viajante) Depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminadas que serão consumidas durante a viagem. Os países mais afetados são os da África, Ásia e América do Sul.
Esquema: Para cólera a eficácia protetora é de 80-85%, nos primeiros 6 meses em todas as faixas etárias. Diarréia do Viajante garante 60% com imunidade de 3 meses. Deverão ser vacinadas crianças a partir dos dois anos e adultos que viajarem para áreas de risco.
Sarampo Alguns países da Europa e da Ásia têm registrado surtos da doença.
Esquema: Verificar a situação vacinal. O Viajante deverá ter tomado apenas 1 dose da vacina Tríplice Viral (SCR) que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. É contra indicada em gestantes e imunodeprimidos.
ÁFRICA Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Amarela Quem vai viajar para áreas endêmicas deverá tomar a vacina 10 dias antes.
A vacina é contra indicada em imunodeprimidos e gestantes, exceto quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais de vacinação.
Esquema: Aplicação de dose a cada 10 anos.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Duas doses com intervalo de seis meses após a primeira (0-6).
Hepatite B No Brasil, outros países da América do Sul e Central, no continente Africano e Asiático e norte da América do Norte.
Esquema:
Três doses. A segunda deverá ser aplicada 1 mês após a primeira dose e a terceira deverá ser aplicada 6 meses após a primeira (0-1-6).
Hepatite A+B Para aqueles que não possuem o esquema de vacinação contra a Hepatite A e Hepatite B, o Sabinvacinas disponibiliza a vacina combinada contra Hepatite A+B.
Esquema: Três doses. A segunda dose será aplicada 1 mês após a primeira dose. A terceira dose será aplicada 6 meses após a primeira dose (0-1-6).
Cólera (Diarréia do viajante) Depende das condições sanitárias e de alimentos e água contaminadas que serão consumidas durante a viagem. Os países mais afetados são os da África, Ásia e América do Sul.
Esquema: Para cólera a eficácia protetora é de 80-85%, nos primeiros 6 meses em todas as faixas etárias. Diarréia do Viajante garante 60% com imunidade de 3 meses. Deverão ser vacinadas crianças a partir dos dois anos e adultos que viajarem para áreas de risco.
Meningocócica AC Todos os viajantes que nunca foram vacinados e que se dirigem para áreas ou países com surtos ou epidemias pelo sorogrupo C.
Esquema: Dose única.
Febre Tifóide Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar na América do Sul tropical, especialmente se ficar com os amigos ou parentes ou visitando pequenas cidades, vilas ou áreas rurais, onde a exposição pode ocorrer através de alimentos ou água contaminados.
Fonte: SBIm 2017/2018 - Associação Brasileira de Vacinação

PAÍSES COM EXIGÊNCIAS ESPECIAIS
REGIÃO VACINAS COMENTÁRIOS
PAQUISTÃO Influenza (gripe) Dose única anual.
Poliomielite Países com altos riscos de surto da doença em função dos viajantes que estejam contaminados. Países sem interrupção da poliomielite: Afeganistão, Índia, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita.
Todos os adultos não vacinados que irão visitar países endêmicos.
NOVA ZELÂNDIA Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Dusa doses: a segunda é aplicada 6 meses após a primeira.
NIGÉRIA Influenza (gripe) Dose única anual.
Poliomielite Países com altos riscos de surto da doença em função dos viajantes que estejam contaminados. Países sem interrupção da poliomielite: Afeganistão, Índia, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita.
Todos os adultos não vacinados que irão visitar países endêmicos.
JAPÃO Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Dusa doses: a segunda é aplicada 6 meses após a primeira.
ESTADOS UNIDOS Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Dusa doses: a segunda é aplicada 6 meses após a primeira.
CARIBE Influenza (gripe) Dose única anual.
Febre Tifóide Recomendado para todas as pessoas não vacinadas ou que viajam para trabalhar na América do Sul tropical, especialmente se ficar com os amigos ou parentes ou visitando pequenas cidades, vilas ou áreas rurais, onde a exposição pode ocorrer através de alimentos ou água contaminados.
CANADÁ Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Dusa doses: a segunda é aplicada 6 meses após a primeira.
AUSTRÁLIA Influenza (gripe) Dose única anual.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Dusa doses: a segunda é aplicada 6 meses após a primeira.
ARÁBIA SAUDITA Influenza (gripe) Dose única anual.
Meningocócica AC Todos os viajantes que nunca foram vacinados e que se dirigem para áreas ou países com surtos ou epidemias pelo sorogrupo C.
Esquema: Dose única.
Poliomielite Países com altos riscos de surto da doença em função dos viajantes que estejam contaminados. Países sem interrupção da poliomielite: Afeganistão, Índia, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita.
Todos os adultos não vacinados que irão visitar países endêmicos.
AFEGANISTÃO Influenza (gripe) Dose única anual.
Poliomielite Países com altos riscos de surto da doença em função dos viajantes que estejam contaminados. Países sem interrupção da poliomielite: Afeganistão, Índia, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita.
Todos os adultos não vacinados que irão visitar países endêmicos.
ÍNDIA Influenza (gripe) Dose única anual.
Poliomielite Países com altos riscos de surto da doença em função dos viajantes que estejam contaminados. Países sem interrupção da poliomielite: Afeganistão, Índia, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita.
Todos os adultos não vacinados que irão visitar países endêmicos.
Fonte: SBIm 2017/2018 - Associação Brasileira de Vacinação

QUALQUER DESTINO
VACINAS COMENTÁRIOS
Influenza (gripe) Para crianças de 6 meses a 8 anos sem o esquema primário de vacinação completo, duas doses com intervalo de 1 mês.
Para crianças até 8 anos com o esquema primário de vacinação completo, dose única.
A partir de 9 anos, dose única anual.
Hepatite A Endêmica em áreas com condições sanitárias precárias: África, Ásia, América do Sul e Central, partes da Europa Central, norte do Japão, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e Canadá.
Esquema: Dusa doses: a segunda é aplicada 6 meses após a primeira.
Hepatite B No Brasil, outros países da América do Sul e Central, no continente Africano e Asiático e norte da América do Norte.
Esquema: Três doses. A segunda deverá ser aplicada um mês após a 1ª e a 3ª seis meses após a 1ª.
Hepatite A+B Três doses. A segunda deverá ser aplicada um mês após a 1ª e a 3ª seis meses após a 1ª.
Fonte: SBIm 2017/2018 - Associação Brasileira de Vacinação
PREMATURO CRIANÇA ADOLESCENTE ADULTO MULHER IDOSO OCUPACIONAL VIAJANTE PACIENTES ESPECIAIS
subir: voltar para o topo da página
BOTAFOGO
Rua Real Grandeza, 139 sala 307 - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22281-033
Telefone: (21) 2537-3595 - Celular: (21) 99520-5594 - Fax: (21) 2535-5038
Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e sábado, das 9h às 14h.
mapa de localização
e-mail: neovacinas@neovacinas.com.br
Clínica de Vacinação Rio de Janeiro - Qualidade em Vacinas
HOME CUIDANDO DA FAMILIA email