NeoVacinas
Quem somos A clínica Vacinas Perguntas e respostas Calendários Aos profissionais Contato
Aos profissionais
GRIPE - CEPAS : Vacina da Gripe 2011 - 2012

O FDA-US (Food and Drug Administration)  anunciou em 18 de julho de 2011 que a nova formulação para a vacina contra influenza 2011-2012 já está aprovada.  A formulação conterá as mesmas cepas da vacina contra influenza 2010-2011. Será usada pelos laboratórios licenciados para produzir e distribuir a vacina influenza nos Estados Unidos.

Cerca de 5 a 20% da população dos EUA desenvolvem influenza sazonal todos os anos, levando a mais de 200.000 hospitalizações por ano por complicações da influenza de acordo com o CDC (Centers for Disease Control and Prevention). Óbitos relacionados a influenza varia a cada ano, podendo atingir cifras entre 3000 a 49000 pessoas.

Os dados de segurança e efetividade tem demonstrado que a Vacinação contra influenza sazonal tem sido uma história de sucesso.

É importante a vacinação todo ano, mesmo que as cepas não mudem pois a proteção com a vacinação no ano anterior diminui com o tempo e pode não proteger no ano seguinte.
As cepas selecionadas para 2011-2012, as mesmas de 2011 são:  
A/Califórnia/7/09 (H1N1)-like vírus (pandemic(H1N1) 2009 influenza vírus)
A /Perth/16/2009 (H3N2)-like vírus
B/Brisbane/60/2008- like virus
Links de interesse:
http://www.cdc.gov/media/pressrel/2010/r100224.htm
http://www.flu.gov
http://www.cdc.gov/flu/




ACIP Issues New Guidelines for Use of Combination Measles, Mumps, Rubella, Varicella Vaccine CME/CE

News Author: Laurie Barclay, MD
CME Author: Charles P. Vega, MD
Authors and Disclosures
CME/CE Released: 05/13/2010; Valid for credit through 05/13/2011
May 13, 2010 — New guidelines implemented in June 2009 by the US Centers for Disease Control and Prevention (CDC) Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP) regarding use of the combination measles, mumps, rubella, and varicella vaccine (MMRV; ProQuad, Merck & Co, Inc) are reviewed in the May 7 issue of the Morbidity and Mortality Weekly Report. The MMRV vaccine is again expected to be available in the United States in May 2010.

"MMRV vaccine was licensed in the United States in September 2005 and may be used instead of measles, mumps, rubella vaccine (MMR, M-M-RII, Merck & Co., Inc.) and varicella vaccine (VARIVAX, Merck & Co., Inc.) to implement the recommended 2-dose vaccine schedule for prevention of measles, mumps, rubella, and varicella among children aged 12 months–12 years," write Mona Marin, MD, from the Division of Viral Diseases, National Center for Immunization and Respiratory Diseases, CDC, in Atlanta, Georgia, and colleagues.

"At the time of its licensure, use of MMRV vaccine was preferred for both the first and second doses over separate injections of equivalent component vaccines (MMR vaccine and varicella vaccine), which was consistent with ACIP's 2006 general recommendations on use of combination vaccines....Since July 2007, supplies of MMRV vaccine have been temporarily unavailable as a result of manufacturing constraints unrelated to efficacy or safety."

Increased Risk for Febrile Seizures Suggested

The ACIP issued updated guidelines concerning MMRV vaccine use in February 2008, based on preliminary findings from 2 postlicensure studies. These data suggested an increased risk for febrile seizures 5 to 12 days after vaccination among children aged 12 to 23 months who had received the first dose of the MMRV vaccine vs children of the same age who had received the first dose of MMR vaccine and varicella vaccine given as separate injections at the same visit. For both the first and second doses, these updated recommendations expressed no preference for use of the MMRV vaccine vs separate injections of equivalent component vaccines.

Final data from the 2 postlicensure studies showed that in children aged 12 to 23 months, there was 1 additional febrile seizure 5 to 12 days after vaccination per 2300 to 2600 children who had received the first dose of the MMRV vaccine vs children given the first dose of MMR vaccine and varicella vaccine as separate injections at the same visit.

Children aged 4 to 6 years who received the second dose of the MMRV vaccine do not appear to be at greater risk for febrile seizures after vaccination than children of the same age given MMR vaccine and varicella vaccine as separate injections at the same visit, based on findings from postlicensure studies.

In light of the postlicensure data and other evidence, the ACIP adopted new recommendations in June 2009 concerning use of MMRV vaccine for the first and second doses. These guidelines considered a precaution for use of MMRV vaccine to be a personal history of seizure or family history of seizure in a sibling or parent. At ages 12 to 47 months, either the MMR vaccine and varicella vaccine or the MMRV vaccine may be given for the first dose of measles, mumps, rubella, and varicella vaccines.

"Providers who are considering administering MMRV vaccine should discuss the benefits and risks of both vaccination options with the parents or caregivers," the report authors write. "Unless the parent or caregiver expresses a preference for MMRV vaccine, CDC recommends that MMR vaccine and varicella vaccine should be administered for the first dose in this age group. For the second dose of measles, mumps, rubella, and varicella vaccines at any age (15 months–12 years) and for the first dose at age ≥48 months, use of MMRV vaccine generally is preferred over separate injections of its equivalent component vaccines (i.e., MMR vaccine and varicella vaccine)."

The report authors note that this recommendation is consistent with ACIP's 2009 provisional general recommendations concerning use of combination vaccines. These guidelines note that it is generally preferable to use a combination vaccine rather than the equivalent component vaccines.

Specific Recommendations for Use

Specific recommendations for use of the MMRV vaccine are as follows:

  • Routinely recommended ages for MMRV vaccination continue to be ages 12 to 15 months for the first dose and ages 4 to 6 years for the second dose.
  • At ages 12 to 47 months, either measles, mumps, and rubella (MMR) vaccine and varicella vaccine or MMRV vaccine may be used for the first dose of measles, mumps, rubella, and varicella vaccines. Clinicians should inform the parents or caregivers regarding the benefits and risks of both vaccination options. The CDC recommends that MMR vaccine and varicella vaccine be given for the first dose in this age group unless the parent or caregiver expresses a preference for MMRV vaccine.
  • For the second dose of measles, mumps, rubella, and varicella vaccines at any age (15 months - 12 years) and for the first dose at age 48 months or older, the MMRV vaccine is preferred to separate injections of MMR vaccine and varicella vaccine, but provider evaluation, patient preference, and the risk for adverse events should be considered.
  • A precaution for MMRV vaccination is a personal history of seizures of any cause or a family history of seizures in a sibling or parent. These children generally should be vaccinated with MMR vaccine and varicella vaccine.

 


Preliminary Results: Surveillance for Guillain-Barré Syndrome After Receipt of Influenza A (H1N1) 2009 Monovalent Vaccine — United States, 2009-2010

Guillain-Barré syndrome (GBS) is an uncommon peripheral neuropathy causing paralysis and in severe cases respiratory failure and death. In rare cases, GBS can follow vaccination. To monitor influenza A (H1N1) 2009 monovalent vaccine safety, various federal surveillance systems, including CDC’s Emerging Infections Program (EIP), are being used. Preliminary results from an analysis in EIP comparing GBS patients who did and did not receive 2009 H1N1 vaccination revealed data, which if confirmed by end-of-surveillance analysis, would correspond to 0.8 excess cases of GBS per 1 million vaccinations, a rate similar to that found with seasonal influenza vaccines.

 

Influenza A - H1N1 - Gripe Suína

É uma doença respiratória aguda altamente contagiosa causada por vários subtipos do vírus influenza tipo A.  O vírus espalha-se entre os suínos por aerossóis e por contato direto e indireto. Portadores assintomáticos existem. Surtos entre os suínos podem ocorrer ao longo do ano, com aumento na incidência no outono e inverno em climas temperados. Muitos paises vacinam  rotineiramente a população suína contra a gripe suína.

O subtipo mais comum é o H1N1, mas outros podem circular entre os suínos ( H1N2, H3N1, H3N2).  Os suínos podem ser infectados por vírus da gripe aviária, virus da gripe sazonal humana e virus da gripe suína. Acredita-se que o subtipo H3N2 tenha sido introduzido nos suínos pelos humanos. Algumas vezes os suínos podem ser infectados por mais de um tipo de vírus ao mesmo tempo, permitindo uma combinação dos gens destes vírus. Assim, podem resultar vírus influenza contendo gens de diferentes fontes. Embora o vírus influenza suíno normalmente afete somente os suínos, ocasionalmente pode atravessar a barreira da espécie e causar doença nos humanos.

Surtos e infecção esporádica em humanos tem sido  relatados.

Os sintomas são similares a gripe sazonal, havendo relatos de apresentações clinicas, que variam entre assintomáticas até manifestações pneumônicas severas com evolução para o óbito.

Uma vez que a apresentação clinica é semelhante a gripe sazonal, muitos casos foram detectados por acaso. Além do mais, casos assintomáticos e moderados não foram reconhecidos, assim, a verdadeira extensão dessa doença entre os humanos não é conhecida.

A distribuição da gripe suína nos animais não é bem conhecida. A doença é considerada endêmica nos Estados Unidos. Já ocorreram surtos conhecidos em suínos na América do Sul e Norte, Europa, África, e partes da Ásia, incluindo China e Japão.

Não se transmite gripe suína comendo a carne ou outros produtos derivados dos suínos. O vírus da gripe suína é morto com o cozimento da carne.

É provável que a maioria das pessoas, principalmente aquelas que não tenham contato com porcos, não apresentem imunidade contra a gripe suína. Se o vírus suíno estabelece uma transmissão eficiente entre humanos, pode então causar uma pandemia.  O impacto é difícil de predizer e depende de: virulência do vírus, existência da imunidade entre as pessoas, proteção cruzada de anticorpos adquiridos da infecção da gripe sazonal e fatores do indivíduo.
Não há vacina para proteger contra a gripe suína em humanos disponível por enquanto.

Não se sabe se a vacina sazonal pode fornecer proteção cruzada para essa gripe suína.
A OMS está trabalhando com seus colaboradores para posterior aconselhamento do uso da vacina da gripe sazonal para prevenir a infecção da gripe suína.

Fonte. www.grog.com.br
          www.who.int/csr/disease/swineflu/en/index.html

 

Vacina contra o HPV

A infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV) é uma das doenças sexualmente transmitidas (DST) de maior prevalência no mundo. Estudos epidemiológicos sugerem que a prevalência mundial da infecção pelo HPV seja de 9%–13%, o que corresponde a cerca de 630 milhões de pessoas.

Estimativas baseadas em modelos matemáticos sugerem que mais de 80% das mulheres sexualmente ativas terão tido contacto com HPV até os 50 anos de idade sendo que 74% dos casos ocorrem entre os 15 e os 24 anos. Apesar da maioria das infecções por HPV serem transitórias e auto-limitadas, a sua presença é associada a verrugas genitais e a diferentes neoplasias genitais, entre elas o câncer de colo uterino, segundo tipo de carcinoma mais freqüente em mulheres, atrás apenas do câncer da mama.

A infecção pelo HPV é uma DST transmitida por contacto sexual penetrativo ou não, sendo o papel dos preservativos na sua prevenção ainda pouco claro.  O maior risco comportamental associado à aquisição do HPV é o número de novos parceiros por mês. Não existe até o momento terapia que erradique ou modifique a história natural da infecção pelo HPV. O tratamento é direcionado às lesões associadas ao vírus, como a aplicação de podofilina, ácido tricloroacético, crioterapia, eletrocauterização, vaporização a laser e excisão cirúrgica.

Cerca de 100 tipos de HPV já foram descritos e são classificados de acordo com o seu potencial oncogênico. Entre os tipos considerados de alto risco para o desenvolvimento de câncer cervical e ano-genital encontra-se o HPV-16 e HPV18, envolvidos na etiologia de aproximadamente 70% das neoplasias cervicais, sendo uma condição necessária, porém não suficiente para o desenvolvimento do câncer de colo uterino. Infecção com os tipos considerados de baixo risco (como o HPV-6 e HPV-11) pode causar outras alterações celulares cervicais, verrugas genitais e papilomatose respiratória.

Em junho de 2006 foi liberada pelo FDA - USA uma vacina quadrivalente contra os tipos 6,11, 16 e 18 do HPV (GARDASIL™, produzida pela Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda). Esta vacina foi licenciada para mulheres entre nove e 26 anos, faixa etária na qual os ensaios clínicos mostraram evidências estatisticamente significativas de segurança e imunogenicidade. A idade idealmente recomendada para a sua aplicação é em torno de 11 e 12 anos, ou seja, antes do início da vida sexual. Ainda não existem estudos que corroborem a sua indicação em homens. Estudos prospectivos mostraram eficácia de 95,8% em 60 meses. .A vacina contra HPV ainda não se encontra no calendário vacinal do Ministério da Saúde, embora já seja recomendada pela Sociedade Brasileira de Imunizações.

A vacina quadrivalente deve ser administrada por via intramuscular no deltóide ou na região anterolateral superior da coxa, em três doses separadas de 0,5 ml, com intervalo de dois meses entre a primeira e segunda dose  e de quatro meses entre a segunda e terceira dose. Doses adicionais não estão recomendadas. Esta vacina pode ser administrada simultaneamente a vacina da hepatite B. As reações locais mais descritas foram dor, edema e eritema local. Os eventos adversos sistêmicos associados à vacina quadrivalente para HPV foram de intensidade leve ou moderada sendo febre acima de 38o C descrita em quatro a 4,9% dos casos. 

Eventos adversos considerados graves ocorreram em menos de 0,1% dos indivíduos vacinados sem diferença significativa em relação ao grupo placebo. A vacina não está recomendada para uso durante a gravidez podendo, no entanto ser aplicada em puérperas e nutrizes. A sua segurança não foi avaliada em indivíduos imunodeficientes (inclusive na infecção pelo HIV) e em uso de medicação imunossupressora. Esta vacina está contra-indicada para pessoas com história de hipersensibilidade a leveduras ou outros componentes de sua fórmula.

 

Rotavirus

O rotavírus foi identificado pela primeira vez em humanos, na Austrália, em 1973 e recebeu esse nome devido a seu aspecto que lembra uma roda (rota, em latim). A partir de 1976, no Brasil, passou a ser reconhecido como importante causa de diarréia aguda em crianças.

Suas ações patogênicas ocorrem principalmente ao nível das vilosidades intestinais, levando a perda de íons e água, caracterizando a diarreia  própria do quadro infeccioso.

Os estudos realizados na América latina observaram  que aos 6 meses de idade 20% das crianças pesquisadas já se mostravam infectadas, e aos 24 meses essa cifra era de 90%.

A criança afetada pelo rotavírus já começa a transmitir o vírus antes mesmo do ínicio dos sintomas e se mantém até 10 à 15 dias após o aparecimento, ou seja o período de transmissibilidade é longo. A transmissão é por via fecal-oral ou respiratória.

Já o período de incubação é curto 1 a 3 dias.

As altas taxas de infecção são mais freqüentes entre lactentes de 3 meses até crianças de dois a 3 anos de idade.

A melhoria das condições de higiene e dos padrões sanitários não causa impacto na incidência do rotavírus em crianças abaixo de cinco anos de idade, ao contrário de outras infecções entéricas.

A prevalência estimada de infecção pelo rotavírus no mundo gira em torno de 110 milhões de episódios de gastroenterite por ano. Cerca de 25% desses casos acabam necessitando de avaliação médica e 2% precisam de internação.

Anualmente, globalmente 400 a 600 mil óbitos  são atribuídos ao rotavírus. Esses óbitos ocorrem mais em países em desenvolvimento, e com baixo acesso a serviços médicos.Os dados disponíveis indicam que a cada minuto uma criança morre, no mundo, por doença provocada pelo rotavírus.

O tratamento das infecções por rotavírus é basicamente sintomático, pois não existe até o momento nenhuma droga específica contra o rotavírus. Assim, o tratamento é hidratação oral ou endovenosa em casos mais graves.

Prevenção: Vacina – Importância do sorotipo prevalente Estudos publicados entre 1989 e 2003 mostram que o sorotipo mundialmente prevalente é o G1, responsável por cerca de 60% dos casos.

Na América do Sul ganha destaque o sorotipo G9.  Estudo no Brasil no período de 2001 á 2005, incluindo estudo de 754 cepas os resultados apresentaram a seguinte distribuição: P(8)G1 -42% / P(4)G2 – 15% / P(4)G9 – 14%

Entre as vacinas disponíveis no Brasil citam-se:

Laboratório GSK:  Vírus vivo, atenuado, de RV humano (cepa RIX4414)
Monovalente, G1 [P8] 2 doses: iniciando entre 6 a 14 semanas de idade. Segunda dose entre 14-24 semanas. Intervalo mínimo entre as doses: 4 semanas. Co-administracão com outras vacinas. Vacina liofilizada armazenada entre 2 e 8ºC. Via oral.

Laboratório Merck Sharp&Dohme:  Vacina Rotateq  liberada pelo FDA nos Estados Unidos em 2006, foi recentemente liberada no Brasil e encontra-se disponível em clínicas privadas. A vacina Rotateq corresponde a rearranjo de cepas humanas (G1, G2, G3, G4, P1) e uma cepa bovina (G6P7).  Trata-se portanto de um rearranjo genético humano-animal, pentavalente, pois é composto por cinco sorotipos distintos.

Com base nos nossos sorotipos prevalentes no Brasil, a eficácia potencial dessa vacina em prevenir gastroenterite de qualquer gravidade, entre nós, oscilaria em torno de 70%. Em relação à necessidade de hospitalização, o potencial de proteção de Rotateq subiria para 95%.

É utilizada em três doses: Aos 2 meses,  4 meses e 6 meses de idade. Via oral.

Dra. Maria Cristina Senna Duarte

 

CALENDÁRIOS DE VACINAÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS
VACINAS PARA O VIAJANTE

NeoVacinas, consultório

NeoCare Vacinas, sala de espera
subir: voltar para o topo da página
BOTAFOGO
Rua Real Grandeza, 139 sala 307 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22281-033
Telefone: (21) 2537-3595 - Celular: (21) 9520-5594 - Fax: (21) 2535-5038
Funcionamento: de segunda a sexta, das 9h às 18h, e sábados, das 9h às 14h30
BARRA DA TIJUCA
Avenida Ayrton Senna 3000 Loja 1087 - Via Parque Shopping - Barra de Tijuca - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22775-904
Telefones: (21) 3328-9782 e 2421-3139
Funcionamento: Horário comercial do shopping. Sujeito a alterações conforme determinação da administração do Via Parque Shopping

e-mail: neovacinas@neovacinas.com.br
Clínica de Vacinação Rio de Janeiro - Qualidade em Vacinas
Principal | Quem Somos | Cuidando da Família | Entre em Contato